Página Inicial / Eventos / Iprem entrega dossiê para a Comissão Municipal da Memória e Verdade de São Paulo

Iprem entrega dossiê para a Comissão Municipal da Memória e Verdade de São Paulo

Teresa Majolo, Maria da Conceição Gomes Bernardo e Fernando
Tereza Lajolo, Maria da Conceição Gomes Bernardo e Fernando Rodrigues da Silva

 

 

 

 

 

 

Na última quarta feira (23/09) a equipe do Iprem entregou nas mãos dos membros da Comissão Municipal da Memória e Verdade de São Paulo (CMV – SP) um dossiê sobre os episódios ocorridos no período da ditadura com servidores e pessoas ligadas ao Iprem, a cerimônia ocorreu durante a apresentação do relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV) para a cidade de São Paulo.

O evento

O evento aconteceu na Sede do Arquivo Histórico Municipal instalada no Edifício Ramos de Azevedo e contou com a presença do Secretario de Direitos Humanos e Cidadania, Eduardo Suplicy, do Coordenador da CNV, Pedro Dallari, Rosa Cardoso membro da CNV e coordenadora da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro, Tereza Lajolo, Presidente da CMV – SP, do jurista e professor Emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Dalmo de Abreu Dallari e Fernando Rodrigues da Silva Superintendente do Iprem.

A entrega formal do Dossiê da Intervenção do Regime Militar no Montepio Municipal de São Paulo foi feita pela coordenadora dos trabalhos de pesquisa e catalogação do Dossiê, Maria Conceição Gomes Bernardo, servidora aposentada do Iprem e Chefe da seção de documentação e biblioteca a época da elaboração do documento que discursou sobre a importância do projeto e disse que o interesse pela pesquisa surgiu a partir da edição da lei 16.012 de 16 de junho de 2014, que cria a Comissão da Memória e Verdade da Prefeitura do Município de São Paulo.

Tereza Lajolo, presidente da CMV-SP recebeu o dossiê e presenteou o Iprem com o Relatório da Comissão Nacional da Verdade para compor o acervo da biblioteca do IPREM.

Durante o seu discurso solene o Coordenador da CNV, Pedro Dallari ressaltou a brilhante iniciativa e disse que a principal missão da CNV é inspirar atitudes que resultem no trabalho realizado pela equipe do Iprem.

Esclarecer o que aconteceu no passado é uma forma de prestar contas, assim evitando que novas truculências ocorram nos tempos de hoje. E a apresentação do relatório, que foi aberto à sociedade civil, teve essa função: denotar os fatos de modo a compreender a necessidade do respeito aos direitos humanos.

Contribuição

O Dossiê da Intervenção do Regime Militar no Montepio Municipal de São Paulo elaborado pela equipe da seção de Documentação e biblioteca do Iprem na qual trabalharam, além da coordenadora responsável, Heloísa Vidal, Marcelo Santos de Lima e André Luiz dos Santos, estagiários do curso de História.

Andre Luiz dos Santos, Maria da Conceição Gomes Bernardo, Heloisa Vidal e Marcelo Santos de Lima
Andre Luiz dos Santos, Maria da Conceição Gomes Bernardo, Heloisa Vidal e Marcelo Santos de Lima

 

Comissão Nacional da Verdade

A Comissão Nacional da Verdade foi instalada em 16 de maio de 2012, sendo sancionada pela lei 12.528/2011. Produzido durante dois anos e sete meses, o relatório final da Comissão Nacional da Verdade reúne 4.328 páginas em três volumes e concluiu suas atividades em 16 de dezembro de 2014, relatório esse que busca esclarecer a toda sociedade brasileira a respeito das violações aos direitos humanos que ocorreram em 1946 à 1988, dando ênfase no período em que a ditadura militar perpetuou no Brasil (1964-1985). De fato sua criação é uma necessidade do Governo brasileiro de prestar contas com o passado, muita gente desapareceu, tendo em vista que as torturas seguidas de morte eram constantes pois na ótica dos torturadores os vestígios deveriam ser apagados. Seguindo esses fatos, famílias de desaparecidos nesta época reivindicam um esclarecimento por parte do Estado por conta destas graves transgressões que aconteceram.

 

Sobre admin

2 Comentários

  1. Alegria imensa por receber esse trabalho, principalmente por ter sido elaborado por pessoas que não tendo expressão na sociedade, demonstram consciência e vida comprometida com a Memória, a Verdade e a Justiça para que nunca nos sejam negadas. Abração.Tereza.

  2. Aqui foi o0 unico lugar para fazer queixas de um processo 2016-0047.785-9 pensÀO DE NUMERO 507 DE dIRCEU dE mEo QUE MORREU EM 19/12/2015 CUJA FAMILIA ESTA PASSANDO FOME E NÀO SAI A PENSÀO PARA A VIUVA JACIRA L.BRUGNI.SOU UMA CUNHADA E FICO INDIGNADA COM O DESCAso da prefeitura pois nào tenho muitas condicoès de ajudar com um pouco de alimento .Por FAVOR,Liberem essa PENSÀo,PoIs repito,a viúva está passando fome,sendo ajudada quando posso por mim. Obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *